Monday, April 09, 2007

A hora e a vez do anjo torto

O poeta Torquato Neto será o grande homenageado da 5ª edição do Salipi - Salão do Livro do Piauí -, que acontece no período de 4 a 9 de junho. Para o idelizador do evento e um dos organizadores Cineas Santos, em vida, Torquato Neto "foi incômodo como um espinho fincado na carne ou, para ser mais preciso, "escorpião encravado na sua própria ferida". Iconoclasta, irreverente, provocador e, acima de tudo genial, viveu apenas o bastante para "desafinar o coro dos contentes"". Ainda de acordo com Cineas, "a passagem de Torquato Neto pela cultura brasileira foi rápida e fulgurante como a de um cometa. Desapareceu no breu da noite, deixando um rastro de luz que ainda hoje nos atordoa. Carece dizer mais?".
Para o professor Wellington Soares, também um dos organizadores do Salipi, a homenagem a Torquato Neto é mais do que justa, "porque Torquato contribuiu (continua contribuindo) para dar visibilidade à face luminosa do Piauí: nossa cultura. Sua arte desconcertante e arrojada nos insere no contexto da modernidade. Continua incomodamente atual", revela.
"Quando nos metemos nessa aventura de criar o Salão do livro do Piauí, uma das nossas preocupações era (continua sendo) justamente dar visibilidade à literatura Piauiense. Não me esqueço do desalento do prof. Wellington Soares, ao percorrer todos os estandes de uma bienal, em São Paulo, não encontrar um único livro de autor piauiense à vista. Foi dele a idéia de, a cada edição do Salipi, homenagear um autor piauiense de expressão. Assim, tem sido", argumenta Cineas Santos, citando nomes nesses cinco anos de vento: Mário Faustino, H. Dobal, O. G. Rego de Carvalho e Assis Brasil. "A proposta é simples: já que boa parte do Brasil insiste em nos ignorar, que sejamos conhecidos e amados pelo menos em nossa aldeia", observa.
"Torquato, estejam certos, não será apenas um "rótulo" ilustrando o Salipi; será uma presença viva entre nós. Sua obra multifacetada será discutida, avaliada, criticada e, com certeza, aplaudida. Esperamos que, ao sair do 5º Salipi, o público piauiense tenha mais uma boa razão para se orgulhar de ter nascido na Terra de Torquato Neto. Assim seja", argumenta Cineas Santos.

Um poeta que desafiava todas as convenções

Nascido em Teresina, no Piauí, filho de um promotor público e de uma professora primária, estudou em Salvador, no mesmo colégio de Gilberto Gil, de quem se aproximou aos 17 anos nas rodas artísticas de Salvador, onde conheceu também os irmãos Caetano Veloso e Maria Bethânia. Mais tarde, em 1962, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde fez alguns anos de faculdade de jornalismo, sem se formar.
No entanto, Torquato exerceu a profissão de jornalista em diversos periódicos, como o Correio da Manhã (no suplemento Plug), O Sol (suplemento do Jornal dos Sports) e Última Hora, quando nos anos de 1971 e 72 escreveu sua badalada coluna Geléia Geral, em que defendia as manifestações artísticas de vanguarda na música, artes plásticas, cinema, poesia etc.
Torquato Neto também fundou jornais alternativos, o Presença e o Navilouca, que só teve um número, mas fez história. Em 1968, com o AI-5 e o exílio dos amigos e parceiros Gil e Caetano (além de outros emigrados), viajou pela Europa e Estados Unidos com a mulher, Ana Maria, morando algum tempo em Londres.
De volta ao Brasil, no início dos anos 70, Torquato ligou-se à poesia marginal e aos ícones do cinema marginal, Julio Bressane, Rogério Sganzerla e Ivan Cardoso. Também era amigo dos poetas concretistas, Décio Pignatari, os irmãos Augusto e Haroldo de Campos, e do artista plástico Hélio Oiticica. É considerado um dos vértices do movimento tropicalista, ao lado de Gil, Caetano e Capinam. Entre suas parcerias mais famosas estão Louvação (com Gil), Pra Dizer Adeus e Lua Nova (com Edu Lobo), Let's Play That (com Jards Macalé), Geléia Geral (com Caetano), Mamãe Coragem, Marginália 2. Participou da famosa foto da capa do disco Tropicália ou Panis Et Circensis, em que estão incluídos suas músicas Mamãe Coragem e Geléia Geral.
O suicídio do poeta, um dia depois de seu 28º aniversário, provocou espanto. Torquato voltou de uma festa com a mulher - que foi dormir -, trancou-se no banheiro e ligou o gás, sendo encontrado morto no dia seguinte pela empregada. Deixou um bilhete de despedida que dizia: "Tenho saudade, como os cariocas, do dia em que sentia e achava que era dia de cego. De modo que fico sossegado por aqui mesmo, enquanto durar. Pra mim, chega! Não sacudam demais o Thiago, que ele pode acordar". Thiago era o filho de três anos de idade. Artigos da coluna Geléia Geral e poesias inéditas foram reunidos no livro "Os Últimos Dias de Paupéria", organizado por Waly Salomão e a viúva Ana Maria, em 1973. Além disso, o cineasta Ivan Cardoso produziu o documentário Torquato Neto, o Anjo Torto da Tropicália. Os Titãs musicaram seu poema Go Back, que deu nome ao disco da banda de 1988.


Torquato, um ser singular, ícone de uma geração

Um artigo de quatro páginas, com fotos coloriadas, na revista Nossa História - já fora de circulação - chamou a atenção de muitos leitores: o artigo contava um pouco da tragetória de Torquato Neto, levando a assinatura do professor Edwar Castelo Branco, do Departamento de História da Universidade Federal do Piauí.
Doutor em História pela Universidade Federal de Pernambuco, com a tese "Todos os Dias de Paupéria: Torquato Neto e a invenção da Tropicália", Edwar escreveu um texto primoroso, passeando pela vida do poeta - com familiaridade surpreendente. Este foi o primeiro artigo, escrito por um piauiense, a ser emplacado na revista editada pela Biblioteca Nacional. Embora tenha talento reconhecido nacionalmente, Torquato Neto ainda é um desco-nhecido para boa parte do público brasileiro, daí a importância do artigo de Edwar Castelo Branco.
Intitulado "O Anjo Torto da Tropicália", o texto é um misto de narrativa e citações do poeta, dando uma mostra da vida e da arte de Torquato.
"Ao lado do pessimismo, é possível perceber na idealização da infância outra marca evidente na poesia de Torquato Neto. Ele parece querer capturar, com seus poemas, um instante mágico, onde o tempo não passe. São constantes, na poética torquateana, as refrências a uma infância ensolarada, distante e desejável", diz o autor no artigo, acrescentando que "historicamente, o que fez de Torquato uma espécie de ícone de sua geração foi a sua singular de ser ao mesmo tempo único e plural".
Estudioso da obra de Torquato, Edwar Castelo Branco lançou a obra "Todos os Dias de Paupéria/Torquato Neto e a Invenção da Tropicália" - proporcionando aos admiradores do poeta uma obra de primeira linha.
Publicado em 9/4/2007 13:33:54Portal O Dia - Marco Vilarinho

2 comments:

Claudia Lins said...

Olá
Gostei muito do seu Blog.
Muita informação!
Vou aparecer mais vezes por aqui.
Beijos

Poemas de Deus said...

Bom dia,
Consegui boas informações sobre Torquato Neto neste Blog.
Um abraço cordial,
Douglas