Wednesday, March 22, 2017

Dica de Leitura: Dia Mundial das Águas - 22 de março


Que Venha a Seca, de Marcos Freitas


Autor: Marcos Airton de Sousa Freitas
ISBN: 8578106601 ISBN-13: 9788578106607
Brochura, 1ª Edição – 2010, 413 pág. Preço médio R$ 80,00

O autor não se propõe a lutar quixotescamente contra a seca e derrotá-la, mas sim compreender os fenômenos envolvidos nos diversos tipos de seca, conjeturar sua ocorrência, sua duração e sua intensidade, e estabelecer critérios para que sejam tomadas decisões realistas. Trata-se de um livro complementar à cadeira de Hidrologia, para ser utilizado principalmente pelos cursos que têm em vista a formação de hidrólogos que vivem e trabalham nas regiões assoladas pelas secas, constituindo-se em uma fonte segura de pesquisa sobre o tema. Embora haja interdependência entre os capítulos, eles podem, até certo ponto, ser lidos independentemente uns dos outros, fazendo com que o livro possa ser também usado como manual de procedimentos por gestores, administradores públicos e demais tomadores de decisão, uma vez que cada capítulo possui sua própria lista bibliográfica.


QUE VENHA A SECA
Sumário
AGRADECIMENTOS
APRESENTAÇÃO
PREFÁCIO
CAPÍTULO 1 MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SECAS
CAPÍTULO 2 O FENÔMENO DAS SECAS, A GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS E O NORDESTE DO BRASIL
CAPÍTULO 3 ANÁLISE INTEGRADA DO FENÔMENO DAS SECAS (SIGES)
CAPÍTULO 4 MODELAGEM CHUVA-VAZÃO EM RIOS DO SEMIÁRIDO
CAPÍTULO 5 GERAÇÃO SINTÉTICA DE VAZÃO EM RIOS DE REGIÕES SEMIÁRIDAS
CAPÍTULO 6 MODELOS DE ESTIMATIVA DE DEMANDA
CAPÍTULO 7 MECANISMOS DE ALOCAÇÃO E NEGOCIAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS
CAPÍTULO 8 APLICAÇÕES DO SIGES AO SEMIÁRIDO BRASILEIRO
CAPÍTULO 9 ANÁLISE MULTICRITÉRIO E TOMADA DE DECISÃO EM REGIÕES SEMIÁRIDAS
CAPÍTULO 10 ANÁLISE DE RISCO NA GESTÃO HIDROAMBIENTAL
CAPÍTULO 11 OPERAÇÃO DE RESERVATÓRIOS EM SITUAÇÕES DE ESCASSEZ
CAPÍTULO 12 INTEGRAÇÃO SETORIALNA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS
CAPÍTULO 13 PLANOS DE CONVIVÊNCIA COM AS SECAS E MITIGAÇÃO DOS IMPACTOS
CAPÍTULO 14 CONSIDERAÇÕES FINAIS



A Regulação dos Recursos Hídricos


REGULAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS, A
Formato: Livro
Autor: FREITAS, MARCOS AIRTON DE SOUSA
Assunto: DIREITO AMBIENTAL

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
ISBN: 8578105206
ISBN-13: 9788578105204
Idioma: Livro em português
Encadernação: Brochura
Edição: 1ª
Ano de Lançamento: 2009
Número de páginas: 174

SINOPSE
Este livro trata da análise do modelo vigente de gestão de recursos hídricos, com seus avanços e problemas de implementação, visando apresentar proposições ao seu aprimoramento. Tem como objetivo discutir o modelo de gestão da água com ênfase nos aspectos de regulação e de controle social. Para a consecução dos objetivos expostos, procurou-se analisar a temática a partir de uma abordagem teórico-histórica da regulação e da gestão participativa dos recursos hídricos, envolvendo a relação do Estado e da esfera pública, em especial, no âmbito dos comitês de bacias hidrográficas e agências de água. Conclui-se, destarte, que a participação efetiva e qualificada da sociedade civil nos conselhos e nos comitês de bacias necessita ser aprimorada, sendo de suma importância para o aperfeiçoamento da gestão integrada de recursos hídricos e da democracia deliberativa brasileira.


TRIBUTO AO POETA JAMESSON BUARQUE




TRIBUTO AO POETA
JAMESSON BUARQUE

no auditório da
BIBLIOTECA NACIONAL DE BRASÍLIA
Esplanada dos Ministérios, com acesso livre ao estacionamento
dia 30 de março de 2017, às 18 horas

palestra de
SALOMÃO SOUSA

e participação de 
ANDERSON BRAGA HORTA e MARGARIDA PATRIOTA.

Leitura de poemas e lançamento do livro Meditações*, de
Jamesson Buarque • poeta, professor, e promotor cultural, nasceu em Recife e radicou-se em Goiás. É docente-pesquisador da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás, da área de Teoria da Literatura, Teoria do Poema e Ensino de Literatura. É autor dos livros Novíssimo testamento (CEGRAF/UFG, 2004), de outra troia (artepaubrasil, 2010) e Pluviário perpétuo (PUC/GO, 2011) e Meditações (Editora Martelo), todos de poesia. Investiga contingências, procedimentos e condições de produção da criação de poesia, sobretudo a respeito do ensino de leitura e escrita de poemas em ambientes educacionais. Também pesquisa genologia poética, quanto à relação entre gênero épico e lírico, bem como entre epopeia, romance, narrativa de ficção e o poema longo ou poema-livro. Ver página e poesia em http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/goias/jamesson_buarque.html

*Participação da editora Martelo, com venda de livros de seu catálogo.

Thursday, March 09, 2017

Carlos Pinto - Todo Dia É Dia D (1974)

 

Todo dia é dia D

Desde que saí de casa
trouxe a viagem da volta
gravada na minha mão
e enterrada no umbigo
dentro e fora assim comigo
minha própria condução

Todo dia é o dia dela
pode não ser pode ser
abro a porta e a janela
 todo dia é dia D

Há urubus no telhado
 e a carne seca é servida
um escorpião encravado
na sua própria ferida
não escapa só escapo
pela porta da saída

 Todo dia é mesmo dia
de amar-te e a morte morrer;
todo dia é mais dia, menos dia
é dia D.

Torquato Neto.

Friday, February 10, 2017

13th edition of Chá com Letras



Evento 'Chá com letras' reúne amantes de poesia

O evento é realizado mensalmente pela embaixada da Índia e é aberto ao público




postado em 09/02/2017 19:41 / atualizado em 09/02/2017 19:41
Evento 'Chá com letras' reúne autores e leitores interessados por poesia todo mês 
A embaixada da Índia em Brasília vai realizar a 13ª edição do evento Chá com letras nesta sexta (10/2), reunindo autores e espectadores interessados em poesia. 
A experiência baseia-se em literatura e degustação de chás e pratos da culinária indiana. Entre os 42 poetas que já marcaram presença, estão Antônio Miranda, Kori Bolívia, Anderson Braga Horta, Ary Quintella, Nicolas Behr, Makarand R. Paranjape, Edmilson Caminha, João Almino, Francisco Alvim, Farhad Sasani.
O evento será na Embaixada da Índia (805 Sul, lote 24) e foram convidados os poetas José Carlos Vieira, Luciana Barreto, Fernando Dusi Rocha, Maxçuny Alves, Janara Soares e Roberto Medina para compartilharem textos e poesia com a platéia. O evento é gratuito e aberto ao público.

Tuesday, January 31, 2017

A BACIA HIDROGRÁFICA DOS RIOS PIANCÓ-PIRANHAS-AÇU FACE À SECA DE 2012-16


A BACIA HIDROGRÁFICA DOS RIOS PIANCÓ-PIRANHAS-AÇU FACE À SECA DE 2012-16

Marcos Airton de Sousa Freitas 1

RESUMO – A região semiárida no Nordeste do Brasil passa por um de seus piores períodos de seca severa. Isso se deve, em grande parte, pelas condições do fenômeno do El-Niño no Oceano Pacífico. Neste artigo, pretende-se abordar os aspectos de gestão de recursos hídricos, tanto pelo lado oferta, quanto pela demanda, face à atual seca extrema, compreendendo o período de 2012 a 2016. Com a redução da precipitação e da consequente vazão afluente aos principais reservatórios da região, é de fundamental importância a operação dos reservatórios responsáveis pelos principais usos de recursos hídricos na região: a agricultura irrigada (com uma área estimada de cerca de 50 mil hectares na bacia); a aquicultura; o abastecimento humano e industrial, dentre outros. Ações visando ao uso racional da água, de monitoramento, bem como de negociação e de comunicação também foram empregadas.

ABSTRACT – The semiarid region in the Northeast of Brazil is going through one of its worst periods of severe drought. This is due, in large part, to the conditions of the El Niño phenomenon in the Pacific Ocean. In this article, we intend to address the aspects of water management due the current extreme drought, by the sides of supply and demand, in the period from 2012 to 2016. By the reduction in rainfall and the consequent flow tributary to the main reservoirs in the region, it is of fundamental importance the operation of the reservoirs responsible for the main uses of water resources in the region: irrigated agriculture (with an estimated area of about 50 hectares in the basin); aquaculture; human and industrial supply, among others. Actions aimed at rational use of water, monitoring, and negotiation and communications were also employed.

Palavras-Chave – gestão hídrica, demanda hídrica, seca

http://www.evolvedoc.com.br/srhne/detalhes-125_a-bacia-hidrografica-dos-rios-pianco-piranhas-acu-face-a-seca-de-2012-16

https://www.researchgate.net/publication/310153054_BACIA_HIDROGRAFICA_DOS_RIOS_PIANCO-PIRANHAS-ACU_FACE_A_SECA_DE_2012-16

Monday, January 30, 2017

RAINFALL ANOMALY INDEX (RAI) E BHALME & MOOLEY DROUGHT INDEX (BMDI) APLICADOS AO MONITORAMENTO DE SECAS NO NORDESTE DO BRASIL

RAINFALL ANOMALY INDEX (RAI) E BHALME & MOOLEY DROUGHT INDEX (BMDI) APLICADOS AO MONITORAMENTO DE SECAS NO NORDESTE DO BRASIL  

Freitas, Marcos Airton de Sousa1

1Agência Nacional de Águas – ANA e Universidade de Fortaleza – UNIFOR; NEAz/UnB

RESUMO: O Nordeste brasileiro é um exemplo típico de região, onde a maioria da população é muito sensível às mudanças climáticas. Na maior parte do Nordeste do Brasil reina um uso agrícola muito dependente da sazonalidade da precipitação. Por isso, é de vital importância a determinação o mais precisa possível do início do período chuvoso na região, de modo a orientar o plantio das culturas agrícolas, bem como do grau de severidade. Visto que o início do período chuvoso varia de ano para ano em até mais de um mês, uma errônea determinação desse início pode ser fatal para a agricultura. Objetivando a mensuração da severidade dos períodos secos e úmidos, foram escolhidos, neste trabalho, o Rainfall Anomaly Index (RAI) e o Bhalme & Mooley Drought Index (BMDI). O índice RAI devido à fácil aplicação, além de tornar o desvio da precipitação em relação à condição normal de diversas regiões passíveis de comparação. E o BMDI por ser uma adaptação do índice de Palmer (Palmer Drought Severity Index – PDSI), modificado para regiões semiáridas. Os índices RAI e BMDI foram incorporados a um Sistema de Suporte à Decisão (SSD) denominado Sistema de Gestão de Secas – SIGES, para o acompanhamento das características básicas dos períodos de seca, quais sejam, duração e severidade, de modo que diferenciadas ações mitigadoras pudessem ser de fato implementadas, com base nos valores atingidos por esses parâmetros. Uma vantagem crucial no uso desses índices é o acompanhamento quase simultâneo do grau de severidade e duração dos períodos secos, permitindo, que se tomem medidas efetivas e em tempo hábil, objetivando minorar os impactos ocasionados por uma seca. Ambos os índices foram aplicados aos estados do Nordeste do Brasil, demonstrando sua aplicabilidade. Com base nesses índices é possível fazer uma comparação das condições atuais de precipitação em relação aos valores históricos. Servem ainda para avaliar a distribuição espacial de uma seca, consoante sua intensidade. Devido ao fato de esses índices apresentarem tanto valor positivo, quanto negativo, eles podem ser utilizados na avaliação de períodos de secas e de cheias. Para o BMDI, foram calculados os valores médios para o 1° semestre de cada ano. O valor atual, mensal, acumulado do BMDI durante o período de crescimento das culturas ou do período chuvoso (janeiro a junho) pode ser, então, comparado com os valores históricos da região, de modo a se ter um controle permanente da condição de umidade. Foi ainda possível reconhecer os efeitos de variabilidade nas anomalias negativas e positivas, assim como de padrões climáticos de umidade, variando de períodos normais, úmidos e secos até seus extremos em anos de El Niño e La Niña, mostrando seus efeitos diretos na distribuição da precipitação.

PALAVRAS-CHAVE: seca, monitoramento de secas, índices de seca

http://sbg.sitepessoal.com/anais48cbg/



Para citações: Freitas, M. A. S.  Rainfall Anomaly Index (RAI) e Bhalme & Mooley Drought Index (BMDI) Aplicados ao Monitoramento de Secas no Nordeste do Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 48, 2016, Porto Alegre - RS. Anais...São Paulo - SP: Sociedade Brasileira de Geologia, 2016. < http://sbgeo.org.br >. Data de acesso.

SIMULAÇÕES HIDROLÓGICAS E OPERAÇÃO DE RESERVATÓRIOS EM SITUAÇÃO DE EVENTOS EXTREMOS DE SECA NO SERIDÓ POTIGUAR

SIMULAÇÕES HIDROLÓGICAS E OPERAÇÃO DE RESERVATÓRIOS EM SITUAÇÃO DE EVENTOS EXTREMOS DE SECA NO SERIDÓ POTIGUAR

Freitas, Marcos Airton de Sousa1

1Agência Nacional de Águas – ANA e Universidade de Fortaleza – UNIFOR; NEAz/UnB

RESUMO: A região do Seridó potiguar é, dentro do denominado Polígono das Secas, no Nordeste do Brasil, uma região de baixa pluviosidade anual e consequentemente reduzidos níveis de armazenamento de água em reservatórios, bem como de escoamento superficial. Fato que se agrava em anos de eventos extremos de seca. Para o enfrentamento do longo período de estiagem hídrica, que perdura desde 2011, na região, inúmeras ações, tanto de gestão de oferta, quanto de gestão de demanda de água, vêm sendo implementadas pelos órgãos gestores de recursos hídricos. Nesse sentido, foram feitos estudos e simulações hidrológicas envolvendo modelagem chuva-vazão e geração estocástica de vazão, no intuito de subsidiar o processo de Alocação Negociada de Água para os principais reservatórios superficiais da região, notadamente os reservatórios de Itans, Sabugi, além dos reservatórios Curema e Mãe D´Água, que suprem parte do abastecimento de água da cidade de Caicó. Para uma estimativa mais confiável da disponibilidade hídrica, foram implantadas réguas linimétricas de referência, implementadas medições de vazões usando medidores acústicos M9 e ecobatimetria em alguns reservatórios. Adicionalmente, foi efetuado o levantamento das demandas para os diversos usos consuntivos (abastecimento humano, animal, irrigação e aquicultura). Visando o uso racional da água e, em atendimento à legislação, que preconiza a priorização da água para o abastecimento humano e animal, em face de eventos extremos, foram também implantadas ações de restrições de usos para a irrigação e aquicultura.  Considerando previsões climáticas baseadas nos fenômenos do ENSO -  El Niño e Southern Oscillation (Oceano Pacífico) e Dipolo (Oceano Atlântico), empregou-se, dentro do Sistema de Gestão de Secas - SIGES, a metodologia de “afluências típicas”, acoplada à Curva de Aversão ao Risco – CAR, na operação dos reservatórios, usando o modelo de rede de fluxo AcquaNet. Ações de comunicação a exemplo de reuniões de trabalho, bem como de Boletins de Acompanhamento e Monitoramento dos níveis dos reservatórios foram executadas. O emprego conjunto dessas metodologias, assim como a participação direta dos usuários, comitês de bacia, órgão governamentais e não governamentais, foram primordiais para se evitar o colapso no abastecimento de água das principais cidades e reduzir os graves impactos decorrentes desse período extremo de seca (2011-2016) na região.

PALAVRAS-CHAVE: seca, simulações hidrológicas, gestão hídrica participativa

http://sbg.sitepessoal.com/anais48cbg/

Para citações: Freitas, M. A. S.  Simulações Hidrológicas e Operação de Reservatórios em Sistuação de Eventos Extremos de Seca no Seridó Potiguar. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA, 48, 2016, Porto Alegre - RS. Anais...São Paulo - SP: Sociedade Brasileira de Geologia, 2016. < http://sbgeo.org.br >. Data de acesso.

Saturday, January 14, 2017

Lançamento do livro “Sentimento Oceânico”, de Marcos Freitas, em Teresina - PI




 
O poeta Marcos Freitas, a Editora Catrumano (São Paulo, SP) e o Livraria Entrelivros têm o prazer de convidar-lhe para o lançamento do livro “Sentimento Oceânico”, nova coletânea de poemas, no dia 17 de janeiro (terça-feira) de 2017, às 19:30 hs, em Teresina – PI.

Programação:

Sessão de Autógrafos.
Leitura de poemas do livro “Sentimento Oceânico”, prefaciado por Anderson Braga Horta, apresentação de Edmar Oliveira e orelha por Jorge Amâncio.


Serviço:

LIVRARIA ENTRELIVROS
Av. Dom Severino, Av. Dom Severino, 1045 - Fátima,
Teresina - PI, 64049-375
Horário: 19:30 hs.

Livro:
Sentimento Oceânico
Ed. Catrumano, São Paulo, 124p, 2015.
ISBN: 978-85-64471-45-0