Wednesday, March 08, 2006

AH, A LARGA ESPERA DE NOITES VAZIAS....

Ah, a larga espera de noites vazias....
Silêncio, silêncio...
Só e pó.

Deito na alfombra de teu pensamento
meu canto parco e triste.
Que versos te direi?
Que palavras substituem as promessas não cumpridas?
Ah, a larga espera de noites vazias....
Silêncio, silêncio...
Só.
A dor e a lâmpada sempre acesas: um dormir-acordado de vigia de castelos de sonhos.

Queixo-me da sombra de teu encantamento
aos meus ossos mortos.
Que poemas declamei?
Serei a cal de muros tortos mijados por bêbados trôpegos?
Ah, a larga espera de noites vazias....
Silêncio, silêncio...
Pó.
A música e a televisão sempre acesas: um dormir-acordado de vigia de castelos de sonos.

Preso aos meus trágicos deveres
rasguei a vida e a alma
ao meio.

Minha vida, minha vida soçobrou nesse instante.

1 comment:

Manoela Afonso said...

Oi Marcos, demorei mas apareci, um abraço!